Maggi: ampliação de mercados e desburocratização são prioridades

Ao participar de mesa redonda sobre o agronegócio no Brasil Investment Forum 2017, nesta quarta-feira (31), em São Paulo, o ministro Blairo Maggi disse que sua gestão à frente do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento tem duas prioridades: a desburocratização e a ampliação do mercado internacional aos produtos do agronegócio brasileiro. O evento, organizado pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), em parceria com o Banco Interamericano de Investimentos (BID) e o governo federal, reuniu líderes políticos, empresários e acadêmicos para discutir novos negócios e oportunidades de investimentos no país.

“Para podermos ajudar os produtores, temos que olhar nossas prateleiras e ver as coisas velhas que ainda temos na legislação para revogá-las”, disse Maggi. A atualização das normas e procedimentos envolvendo a atividade agropecuário está sendo feita por meio do Plano Agro+, lançado pelo ministro, no ano passado, para modernizar e simplificar o setor no aspecto legal. “Com esse movimento, estamos contribuindo para que os produtores tenham mais fluidez e enfrentem menos burocracia.”

De acordo com o ministro, é inadmissível que um produto demore cinco, seis, sete, dez anos para ter aprovação para ser utilizado. “Isso é um empecilho para os produtores, porque eles ficam atrasados tecnologicamente e têm perdas na produção agrícola.” Por isso, assinalou Maggi, o Mapa está dando prioridade ao Agro+, objetivando criar um diferente e capaz de impulsionar a modernização do agronegócio.

Maggi também destacou a necessidade de trabalhar muito além das fronteiras. “Como produzimos cada vez mais, temos que ampliar nossos mercados. Caso contrário, caem os preços do produtos e a renda do produtor.” Na busca de nossos parceiros comerciais, o Mapa vem promovendo missões ao exterior para reforçar a qualidade e a sanidade dos alimentos brasileiros e as oportunidades de investimentos no Brasil.

O ministro lembrou ainda que o Brasil era um grande importador de alimentos nas décadas de 1970 e 1980. “Hoje, somos um mercado exportador, com produtos em mais de 150 países. O Brasil se desenvolveu e não foi por acaso”, observou, ressaltando a contribuição da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária para o desenvolvimento agrícola e pecuário do país. (Mapa)

Continue Lendo

24 Ago Trigo: perdas pelo frio devem chegar a 15% no RS

Trigo: perdas pelo frio devem chegar a 15% no RS

Economia

De acordo com a T&F Consultoria Agroeconômica, acredita-se que 15% a 20% das áreas de trigo, notadamente maior quantidade nas Missões e Noroeste do estado, estavam em estágios sujeitos a perdas. “Como todos sabem, as perdas decorrentes de fenômeno climático de geadas, não podem ser medidas de pronto e muitas vezes só serão sentidas na […]

Mais Detalhes
23 Ago Agricultor acelera colheita da cana no interior de SP e vê boa demanda pelo produto

Agricultor acelera colheita da cana no interior de SP e vê boa demanda pelo produto

Economia

O preço pago pela cana-de-açúcar está animando agricultores do interior de São Paulo. No estado, a colheita está a pleno vapor. No Centro-Sul do país, os trabalhos de campo estão adiantados, já foram colhidas mais de 308 milhões de toneladas, quase 6% a mais que na comparação com o mesmo período do ano passado. A […]

Mais Detalhes
22 Ago Pesquisadores vão debater manejo de gafanhotos dia 27/8

Pesquisadores vão debater manejo de gafanhotos dia 27/8

Eventos

Nuvens de gafanhotos migradores da Ásia, da África e América do Sul no cenário da sanidade vegetal têm deixado em alerta governos e cientistas. A recorrência do problema nos países sul-americanos tem provocado debates sobre como tratar do problema e os especialistas apontam a necessidade de estratégias de controle desses insetos. Diante disso, o Ministério […]

Mais Detalhes