Paraná intensifica mobilização para conservação de solos

A Secretaria estadual da Agricultura e Abastecimento intensifica a mobilização para o produtor rural paranaense voltar a conservar o solo e a água de sua propriedade. Na mobilização desta semana, que envolveu cerca de 1,5 mil produtores nos municípios de Guarapuava, Pato Branco, Cascavel e Umuarama, o secretário Norberto Ortigara alertou sobre a multa que pode ser aplicada pela Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), caso o produtor não faça sua adesão ao programa Prosolo (Programa Integrado de Conservação de Solo e Água do Paraná) até o dia 29 de agosto.
O programa foi criado para recuperar áreas com erosão, um problema que voltou a aparecer com força nas propriedades nos últimos anos. Se o produtor não aderir neste prazo estará sujeito a ser multado em valores que podem variar de 5 a 17 UPFs (Unidade Padrão Fiscal) dependendo dos danos causados, do tamanho da propriedade e da gravidade da situação. A UPF está valendo R$ 99,00 a unidade.
Para conscientizar o produtor rural sobre a importância dessa adesão, Norberto Ortigara e os dirigentes das principais entidades da agropecuária paranaense estão percorrendo o Estado numa maratona que está reunindo muitos produtores e lideranças locais.
O Prosolos envolve a parceria de 22 entidades do setor público e da iniciativa privada, numa estrutura que está sendo colocada à disposição do produtor para que ele tenha assistência técnica qualificada e orientação de como adotar as práticas conservacionistas e quais são as mais indicadas para a região onde está localizada sua propriedade.
O programa já foi apresentado em Maringá e Carambeí. Na próxima semana será apresentado em Apucarana. Na apresentação, o consultor em solos, engenheiro agrônomo Marcos Vieira, destaca os benefícios econômicos e de sustentabilidade do meio ambiente, decorrentes de técnicas de conservação de solos e água adotadas nas propriedades. Ele destaca que o maior patrimônio do agricultor não é a colheitadeira ou o trator potente, mas sim o solo que ele dispõe em sua propriedade.
Na palestra, Vieira aborda os resultados positivos da conservação de solos para produtores e consumidores, que passam a ter acesso a alimentos de boa qualidade e, assim, atendem as exigências de questões ambientais nos negócios. “Uma série de questões sociais que estão na pauta de compradores e consumidores internacionais também passam a ser atendidas, o que é uma responsabilidade de todos nós”, diz o palestrante.
Vieira recorreu ao exemplo de Guarapuava, precisamente nas áreas ocupadas pelos produtores da cooperativa Agrária, onde a maioria é de descendência Suábia, na Alemanha, que exibe as maiores produtividades de milho, em torno de 13.600 quilos por hectare nesta safra. Esse rendimento é superior à média da produtividade obtida nos Estados Unidos. “Guarapuva é exemplo para os produtores que transformaram uma área de solo pobre num dos mais produtivos do País. Isso mostra que tecnologia e a vontade de cuidar traz resultados positivos”, disse.
O consultor falou das ferramentas de tecnologia, planejamento e gestão que ajudam o produtor a equilibrar o solo e a água. Ele salienta ainda que para ter água ideal, precisa ter solo ideal. “Muita ou pouca água no solo é prejuízo. É preciso planejar e adotar sistemas para que a água fique retida no solo e nisso um profissional de agronomia tem muito a ajudar”, recomendou.
O programa prevê a adoção de técnicas conservacionistas que podem ser o terraceamento, curva em nível, cobertura do solo, plantio direto, rotação de culturas, que serão recomendadas de acordo com o tipo de propriedade e a região em que ela se encontra.

LEGISLAÇÃO E PRAZO

Ortigara destaca que o objetivo não é multar, e sim conscientizar o produtor. “Mas se for preciso, lá na frente vamos aplicar a lei de uso do solo, que é de 1984 e é muito dura. Ela prevê essa punição caso o agricultor não tome providências para evitar os estragos em sua propriedade e dos vizinhos”, alertou.“Poderíamos aplicar a lei, mas preferimos encarar o problema”.
O produtor que fizer a adesão no prazo fixado ganha um ano para apresentar o projeto técnico de recuperação de sua propriedade. Depois disso, ganha mais três anos para execução do projeto. A adesão precisa ser formalizada num escritório da Emater.
Caso não faça a adesão e houver denúncia na Adapar, por parte de vizinhos prejudicados, o produtor tem apenas 30 dias para solucionar o problema, se for simples. Se for um pouco mais complexo, ele terá até 60 dias. (AEN)

Continue Lendo

08 Oct Agro brasileiro perde Osmar Amaral, fundador da Nortox

Agro brasileiro perde Osmar Amaral, fundador da Nortox

Institucional

Faleceu nesta quinta-feira (08), em Apucarana, no Norte do Paraná, Osmar Amaral, que há 66 anos fundou a Nortox apostando na agricultura como a maior geradora de divisas para o Brasil. Ele tinha 95 anos e deixa viúva dona Dirce, além de filhos, netos e bisnetos.   A trajetória de Osmar Amaral está diretamente ligada […]

Mais Detalhes
24 Aug Trigo: perdas pelo frio devem chegar a 15% no RS

Trigo: perdas pelo frio devem chegar a 15% no RS

Economia

De acordo com a T&F Consultoria Agroeconômica, acredita-se que 15% a 20% das áreas de trigo, notadamente maior quantidade nas Missões e Noroeste do estado, estavam em estágios sujeitos a perdas. “Como todos sabem, as perdas decorrentes de fenômeno climático de geadas, não podem ser medidas de pronto e muitas vezes só serão sentidas na […]

Mais Detalhes
23 Aug Agricultor acelera colheita da cana no interior de SP e vê boa demanda pelo produto

Agricultor acelera colheita da cana no interior de SP e vê boa demanda pelo produto

Economia

O preço pago pela cana-de-açúcar está animando agricultores do interior de São Paulo. No estado, a colheita está a pleno vapor. No Centro-Sul do país, os trabalhos de campo estão adiantados, já foram colhidas mais de 308 milhões de toneladas, quase 6% a mais que na comparação com o mesmo período do ano passado. A […]

Mais Detalhes