Contratação de crédito rural até outubro soma R$ 64 bilhões

A contratação do crédito rural pelo Plano Agrícola e Pecuário (PAP) por médios e grandes produtores rurais atingiu R$ 64 bilhões, de julho a outubro deste ano, 26% a mais do que na safra anterior em igual período. Para o secretário de Política Agrícola, Wilson Vaz de Araújo, a liberação de recursos continua forte, tanto de custeio quanto de investimento. “Nossa expectativa, é que, daqui para frente, a demanda por custeio se reduza, e aumente a procura por recursos para investimento”, afirma.
 
Os dados da contratação constam do Relatório de Financiamento Agropecuáriode liberação de recursos da safra 2018/2019, divulgado pela Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), nesta quinta-feira (8).
 
Houve aumento de aplicação em todas as finalidades do crédito. No custeio, o aumento foi de 20%, correspondendo a um total aplicado de R$ 37,4 bilhões. A industrialização cresceu 49%, totalizando R$ 3 bilhões, e a comercialização teve alta de 30% superior à safra passada, somando R$ 11,3 bilhões. Os investimentos somam aplicações, no período, de R$ 12,5 bilhões, 38% acima de igual período da safra anterior.
Quanto aos programas específicos de investimento, o Sistema do Banco Central (SICOR) contabilizou mais de R$ 4 bilhões aplicados, nesses primeiros quatro meses da safra, pelo Moderfrota ((Programa de Modernização da Frota de Tratores Agrícolas e Implementos Associados e Colheitadeiras), correspondendo a aumento de 62% em relação à safra passada.
 
Moderagro (Programa de Modernização da Agricultura e Conservação de Recursos Naturais), ABC (Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura), Inovagro e PCA também são destaques, contabilizando aumentos de 287%, 141%, 113% e 103%, respectivamente.
 
De acordo com o estudo, o número de contratos aumentou em 7%, contabilizando 258 mil operações. A atividade agrícola representou 74% do valor aplicado, ou R$ 47,4 bilhões. Já a pecuária contou com R$ 16,7 bilhões contratados.
 
Quanto às fontes de recursos, a poupança rural controlada se destaca com participação de 36%, no total das contratações do crédito rural, o que representam R$ 22,8 bilhões. Quanto aos recursos com taxas de juros livres, as Letras de Crédito do Agronegócio (LCA’s) registraram montante aplicado de R$ 7,8 bilhões, sendo que destes, R$ 5,7 bilhões a taxas de até 8,5% ao ano.
 
De acordo com o secretário, a demanda por recursos deve ser suficiente para a futura safra. “Estamos atentos e monitorando a necessidade de fazer ajustes, deslocando recursos para os programas de investimento que apresentarem maior procura por parte dos produtores rurais”.
 
(Mapa)

Brasil é o terceiro maior exportador agrícola

Dados da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), divulgados no início da semana, mostraram que o Brasil se tornou o terceiro maior exportador agrícola do mundo, terminando o ano de 2016 com 5,7% do mercado global. Nesse cenário, o País ficou atrás apenas dos Estados Unidos com 11% e da Europa, com 41%.
 
De acordo com a FAO, todos os países emergentes cresceram no ranking, sendo que representavam apenas 9,4% do mercado agrícola global no ano 2000, contra 20,1% em 2015. Além disso, dos dez melhores colocados no levantamento, quatro estão com a economia em desenvolvimento, com China, Indonésia e Índia se juntando ao Brasil como os principais responsáveis por essa expansão.
 
No início do século o País era superado também por Canadá e Austrália, que somavam 3,2% do mercado e tendo disputado posição com a China, ambos com 3%. Outro dado interessante foi o valor adicionado por trabalhador, que dobrou entre 2000 e 2015, passando de US$ 4,5 mil no início do século para US$ 11,1 mil quinze anos depois.
No entanto, a organização indicou que as mudanças climáticas podem prejudicar essa expansão para os próximos anos. Segundo a FAO, as vendas externas do Brasil devem sofrer uma contração significativa até o ano de 2050, já que o mundo terá que dobrar a sua produção agrícola nos próximos 30 anos.
 
O maior problema ocorrerá em alguns países, como o Brasil, isso porque a FAO informou que “as mudanças climáticas vão afetar a agricultura global de forma desigual, melhorando as condições de produção em alguns locais. Mas afetando outros e criando ‘vencedores’ e ‘perdedores’”. Os países de baixas latitudes devem ser os mais afetados e regiões com clima temperado devem ser beneficiadas com o aumento da temperatura. (Agrolink)

Com clima propício, Paraná inicia colheita do trigo

A colheita do trigo já iniciou na região Norte do estado do Paraná nesse ano de 2018. Segundo informações divulgadas pelo analista Luiz Fernando Pacheco, da T&F Consultoria Agroeconômica, as condições de clima e da planta estão satisfatórias e propícias para que os produtores deem início ao processo de colheita.
 
“Em Campo Mourão, no centro-norte do estado, a manhã nasceu ensolarada, com temperaturas amenas, oscilando entre 10ºC e 25ºC, sem previsão de ocorrências de chuvas para o decorrer do dia, segundo o Simepar (Sistema Meteorológico do Paraná). O trigo apresenta algumas lavouras já em estágio de maturação”, informa.
 
No entanto, o analista relata que no início da safra do cereal o rendimento das primeiras lavouras tem sido registrado em médias menores do que as estipuladas anteriormente pela equipe da T&F. Nesse cenário, existem lugares que sofreram com a ocorrência de chuvas nos dias que antecederam a prática, além da estiagem no período de desenvolvimento da cultura.
 
“Com o início pontual da colheita, o rendimento dessas primeiras áreas vem ocorrendo abaixo da produtividade inicial estimada. Em Cornélio Procópio, no norte no estado, ocorrência de precipitações na sexta-feira para sábado passado, com bom volume em todos os municípios, variando de 20 a 77 mm”, afirma.
 
No entanto, por mais que a chuva possa estar atrapalhando a produção em alguns aspectos, ela pode ser benéfica para outros cultivos, como a manutenção de pastagens. “Em Guarapuava, no centro do estado, a semana passada com ocorrência de chuvas em toda região, variando de 20 a 40 mm, vindo a beneficiar o desenvolvimento das lavouras de inverno e recuperação das pastagens”, finaliza. (Agrolink)

Safra deve alcançar 300 milhões de ton em dez anos

Nos próximos dez anos o Brasil vai produzir 69 milhões de toneladas a mais de grãos, saltando de 232 milhões de toneladas para de 302 milhões t em 2027/2028, puxadas principalmente pela soja (156 milhões t) e o milho (113 milhões t), com incremento estimado em 30%. As carnes (bovina, suína e de frango) devem passar de 27 milhões t para 34 milhões t, em alta de 27% (+7 milhões t) no mesmo período. A produtividade é apontada como responsável pelo aumento da produção de grãos, o que pode ser constatado pelo aumento da projeção da área de plantio, no mesmo período, de apenas 14,5%. A pecuária que também vem introduzindo novas tecnologias contribuído para o desempenho e melhoria da produção.

Os números são do estudo Projeções do Agronegócio, Brasil 2017/18 a 2027/28 da Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e da Secretaria de Inteligência e Relações Estratégicas da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (SIRE/Embrapa). A pesquisa utilizou dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Embrapa, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), FAPRI (Food and Agricultural Policy Research Institute) e do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (United States Department of Agriculture/USDA, sigla em inglês).

Expansão de Área

A expansão da área plantada de todas as lavouras (algodão, arroz, banana, batata inglesa, cacau, café, cana de açúcar, feijão, fumo, laranja, maçã, mamão, mandioca, manga, melão, milho, soja grão, trigo, uva) no Brasil sairá de 75 milhões hectares, em 2018, para 85 milhões de hectares nos próximos 10 anos. O crescimento global será de 13,3%, o equivalente a 10 milhões de hectares em regiões de pastagens naturais ou por reaproveitamento degradadas, conforme o estudo.

Uma parte do crescimento da área plantada deve ocorrer em áreas de fronteira localizadas especialmente no Centro Oeste, Norte e Nordeste. As maiores expansões devem ocorrer no plantio de soja, cana de açúcar e milho. Lavouras, como arroz, feijão, mandioca e laranja, devem ter redução de área plantada. Ganhos de produtividade deverão compensar as reduções, de modo que não haverá recuo de produção. O café deve apresentar certa estabilização da área e os ganhos de produtividade obtidos nos últimos anos permitem obter produção crescente, mesmo com tendência de redução de área.

O cultivo de grãos (algodão, amendoim, arroz, aveia, canola, centeio, cevada, feijão, girassol, mamona, milho, soja, sorgo, trigo e triticale) terá variação de área de 14,9%, de 62 milhões ha para 71 milhões ha, em 2027/28, aumento de 9 milhões ha. Esse grupo de produtos deverá ter a produtividade como o principal driver (motor/impulsionador) de crescimento, pois a produção deve aumentar cerca de 30% em 10 anos.

Tendência de produção de carnes

O estudo projeta uma produção de carnes de 34 milhões de toneladas em 2027/28. Isso representa acréscimo de 7 milhões de toneladas sobre 2018. O maior crescimento deve ocorrer nas carnes suína e de frango, seguidas por carne bovina. A carne de frango deve ter aumento de 4 milhões t, totalizando 17 milhões t em 2028. Em seguida, vem o incremento de 2 milhões t para a carne bovina, somando 12 milhões t. A produção de carne suína ficará em quase 5 milhões t (+1 milhão t), na próxima década.

Regiões produtoras

Conforme a pesquisa, o Centro Oeste dispara no ranking das regiões de maior aumento na produção de grãos, saindo de 103 milhões t para 139 milhões t (+ 36 milhões t ou 34,8%). É prevista também expansão da produção de grãos em direção ao Norte do país, com crescimento de 34% em relação a 2018. Destacam-se nessa expansão os estados de Rondônia, Tocantins e Pará. Os estados do Sul terão incremento de 24,8% (+19 milhões t), alcançando 94 milhões t de grãos.
Quanto à área plantada de grãos, os estados do Centro Oeste terão incremento de 28,2%; do Norte, 23% e do Sul, 7,5%.

Projeção de exportações

As projeções de exportação apontam que o país embarcará, em 2028, 139 milhões t de grãos, com acréscimo de 37 milhões t em relação a 2018. A soja e o milho continuam como destaques, na projeção das exportações nos próximos dez anos, à frente de produtos como o açúcar e o café. As vendas externas de soja em grão ficarão em 96,5 milhões t e as de milho em 42,8 milhões t. Cerca de 70 % das exportações de soja devem seguir para a China. O comércio externo de açúcar alcançará 37,2 milhões t e, de café, 34 milhões de sacas (60 kg).

As exportações de carnes alcançarão 8,8 milhões t na previsão para 2027/2028 (+ 2,3 milhões t). As exportações de carne de frango puxarão o total de carnes nos próximos dez anos, com 5,2 milhões t exportadas. A carne bovina ficará em 2,8 milhões t exportadas, e a carne suína, 900 mil toneladas. Países da África Subsaariana (47 países, como por exemplo, África do Sul, Angola, Costa do Marfim, Etiópia, Nigéria) e Oriente médio (15 países, como Arábia Saudita, Irã, Afeganistão, Catar, Emirados Árabes Unidos) e México, devem adquirir cerca de 39% da carne de frango exportada pelo Brasil.
China, Estados Unidos, África e Oriente Médio devem absorver 44 % das exportações de carne bovina. México, China e Japão devem importar 57% da carne suína brasileira.

O trabalho mostra também que, além do potencial de produção e de exportação de grãos, carnes e outros produtos, as frutas, em especial manga, melão, mamão e uva, projetam elevadas taxas de crescimento das exportações nos próximos anos.
Dados preliminares do trabalho, agora concluído, haviam sido anunciados pelo ministro Blairo Maggi no evento internacional Global Agribusiness Fórum 2018 (GAF), no fim de julho, em São Paulo.

(Fonte: Mapa)

Guerra comercial: Brasil deve assumir ponta na soja

O Brasil pode substituir os norte-americanos como maior produtor de soja do mundo
 
Analistas do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) indicaram que tanto a China quanto os EUA poderão ter prejuízos relacionados à soja com a disputa comercial travada entre os dois países. De acordo com informações do portal Agriculture, a situação causará uma inversão entre os maiores exportadores da oleaginosa, com o Brasil podendo substituir os norte-americanos como maior produtor de soja do mundo.
 
Segundo o portal, as importações chinesas de soja devem cair 8% durante o ano comercial de 2018/2019, apesar dos grandes embarques comprados do Brasil. Além disso, os consumidores chineses provavelmente terão uma oferta menor de óleo de soja. “A tarifa que a China impôs recentemente à soja dos EUA deve causar preços mais altos para a soja na China”, disse o USDA.
 
Para os EUA, o USDA reduziu a previsão de exportações de soja em 2018/2019 para 2,04 bilhões de bushels, uma queda de 11%, em relação à projeção estipulada no mês de maio. Segundo o Agriculture, o estoque de soja aumentaria para 580 milhões de bushels até o momento da colheita da safra de 2019, o que se configuraria como o maior “carryover” dos EUA em 74 anos de registros do USDA.
“Apesar de perder participação de mercado na China, as exportações de soja são apoiadas em outros mercados, já que os preços mais baixos dos EUA aumentam a demanda e a participação de mercado”, informou o relatório.
 
Com os preços futuros da soja caindo em 20% no mercado de Chicago desde o final de maio, o presidente Donald Trump prometeu proteger os agricultores da retaliação chinesa. Porém, até o momento, o presidente norte-americano se recusou a explicar a ajuda qual auxilio poderá oferecer.
 
(Fonte: Agrolink)
 

Brasil não tem onde armazenar safra recorde de grãos

Segundo estimativa de maio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a safra brasileira de grãos de 2018 superará, novamente, suas projeções iniciais. Até o momento, o resultado deve ser o segundo maior da história, com previsão de mais de 232 milhões de toneladas, ganho de 1,3% em relação ao relatório do mês anterior. Além disso, a estimativa para a área plantada, que antes era de 61,5 milhões de hectares, cresceu 1,1% em relação ao ano passado. Ainda de acordo com as perspectivas, os maiores volumes serão de soja e de milho, seguidos pelo feijão, que correspondem a mais de 200 milhões de toneladas.

No entanto, ao mesmo tempo em que os produtores comemoram a colheita, também se preocupam com a armazenagem adequada dos grãos produzidos. O principal gargalo da cadeia produtiva nacional de grãos ainda está no setor de armazenagem: no país, o déficit de armazenagem já bate a casa de 80 milhões de toneladas, o que aponta que o Brasil não tem onde guardar mais de um terço de sua produção agrícola. Hoje, essa defasagem representa para o país a perda de mais de 2 bilhões de reais por ano no mercado de grãos.

Neste contexto, um levantamento feito pela Kepler Weber, líder em projetos completos para armazenagem e beneficiamento de grãos, mostra que a região Sul é a segunda no ranking da defasagem: mais de 20 milhões de toneladas de déficit de armazenagem.

Ainda de acordo com o levantamento, alguns fatores colaboram para esse cenário brasileiro:
A baixa capacidade de armazenagem nas propriedades rurais força o produtor a comercializar e escoar suas safras na época de preços mais baixos e de fretes mais caros;

No Brasil, as fazendas possuem apenas 16% da capacidade de armazenagem, o que sobrecarrega o transporte e a armazenagem intermediária em épocas de colheita, além de elevar a demanda de estocagem nos portos.
O resultado disso é que na época das colheitas dos grãos, os preços pagos aos produtores sofrem um achatamento acentuado, decorrente da alta dos valores dos fretes, das filas de caminhões nas rodovias e da demora prolongada para embarques nos portos.

Além disso, armazenar a safra em terceiros tem custos, que variam entre 9% e 12% do valor do total estocado.
“Nosso país é uma das maiores potências agrícolas do mundo e nossos grãos estão nas mesas de diversos países. Não podemos desperdiçar o trabalho do produtor, mas não há dúvidas: o problema do Brasil em relação às perdas de grãos ainda é recorrente porque os investimentos em logística no setor não são realizados de forma correta. E investir em logística significa abranger toda a cadeia produtiva em diferentes situações: varejo, atacado, armazenagem e atividades portuárias e ferroviárias”, afirma Anastácio Fernandes Filho, diretor presidente da Kepler Weber.

Contrário a esse cenário, os mecanismos de armazenagem inteligente da Kepler permitem que a produção seja estocada de forma adequada. Assim, a decisão do momento da venda da produção fica totalmente na mão do produtor, pois todos os grãos são armazenados adequadamente de forma a manter sua alta qualidade por mais tempo. O agricultor pode negociar, no momento mais propício, grãos com qualidade superior que resultam em mais lucro.

Com a armazenagem inteligente Kepler Weber também é possível controlar minuciosamente a rota de fluxo de grãos em todas as etapas, por meio de um sistema de supervisão central, que substitui a mão-de-obra manual no processo. Desta forma, o produtor tem não apenas uma ferramenta automatizada, mas uma cadeia integrada de armazenagem, com sistemas individuais e autossuficientes que acompanham as necessidades específicas de cada grão.

(Agrolink)

Influência dos consumidores cresce e modifica a produção

Estudo de pesquisadores da Embrapa traça o futuro da agricultura até 2030
 
Apesar de o Brasil ainda ser um país de baixa escolaridade (51% concluiu apenas o ensino fundamental e há elevado índice de analfabetismo funcional), o ativismo dos consumidores deve crescer nas próximas décadas em razão de seu maior acesso a informações por meio das mídias sociais: 61% dos produtores já usam smartphones e o whatsapp já é o principal meio de comunicação na zona rural, utilizado por 96% dos produtores com acesso à internet. A avaliação faz parte do estudo da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) Visão 2030 o Futuro da Agricultura Brasileira, que trata também dos riscos, desafios e temas como a sustentabilidade.
 
Em mercados com diferenças acentuadas entre as classes sociais como o brasileiro, o protagonismo dos consumidores tende a ser liderado pelas classes com maior poder de compra. Ainda assim, análises mostram que consumidores brasileiros de classe média baixa também valorizam características dos alimentos que vão além do preço, tais como sabor e qualidade nutricional, diz o estudo.
 
Pesquisadores destacam que o avanço das tecnologias da informação e de comunicação, a proliferação das mídias sociais e de plataformas digitais, está modificando as relações entre produtores de alimentos e consumidores. Maior acesso a computadores e celulares, internet de baixo custo e Wi-Fi estão propiciando acesso à informação e compartilhamento de experiências e avaliações de produtos e marcas, o que amplia o poder na tomada de decisão de compra.
 
E essa transformação nas relações entre produtores e consumidores não só influi na qualidade e intensidade da produção e dá origem a novos negócios e oportunidades, como também cria desafios para empresas e governos. O poder dos consumidores de influenciar as decisões da cadeia produtiva agroalimentar deriva de mudanças nos seus hábitos de consumo, que são resultantes de complexos movimentos econômicos, sociais, culturais e políticos.
 
Fatores como crescimento da população, nível de urbanização, taxa de escolaridade e educação em geral, nível de informação, estrutura etária, sobretudo grau de envelhecimento e familiar das comunidades e níveis de renda são determinantes para mudanças nos padrões de consumo.
 
Mar de riscos
 
Um dado revelado pelo trabalho dos pesquisadores relata levantamento feito em 48 países em desenvolvimento, que indica que 25% dos danos provocados por desastres naturais entre 2003 e 2013 recaíram sobre a agropecuária, causando prejuízos de US$ 70 bilhões. Estima-se que 44% dessas perdas foram causadas por secas e 39% por enchentes.
 
No Brasil, análises evidenciam perda anual próxima de R$ 11 bilhões (1% do PIB agrícola) devido a eventos extremos.
 
Atualmente, 75% dos alimentos do mundo são gerados a partir de 12 espécies de plantas e cinco espécies de animais. Isto torna o sistema alimentar global altamente suscetível aos riscos inerentes à atividade agrícola, como pragas e doenças em animais e plantas, problema agravado pelos efeitos da mudança do clima.
 
Fazendas Inteligentes
 
Produtores agrícolas poderão participar da convergência possível pela integração de geotecnologias, agricultura de precisão, da evolução exponencial da inteligência artificial e de outros recursos computacionais para promover a transformação digital das fazendas, viabilizando o chamado smart farming e as smart farms.
 
A produção agrícola já experimenta maior acesso à energia elétrica, com o uso crescente de painéis solares, o que permite vislumbrar a superação dos problemas de comunicação com maior uso de computadores e a integração dos fazendeiros na rede 4G, sua atualização para o padrão 5G e finalmente seu acesso à Internet das coisas (Iot). No Brasil, os produtores serão ainda beneficiados com o lançamento do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas e a consequente ampliação do Programa Nacional de Banda Larga.
 
O trabalho discorre ainda sobre convergências tecnológicas, agregação de valor nas cadeias produtivas, mudanças socioeconômicas e espaciais e do clima, além de um histórico sobre a trajetória da agricultura brasileira. Tudo com muitos dados, gráficos e detalhes sobre esses assuntos.
 

Maggi recebe na OIE certificado do Brasil livre da aftosa

O ministro Blairo Maggi (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) recebeu nesta semana, em Paris, durante a 86ª reunião da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) certificado que confere ao Brasil o status de livre da febre aftosa com vacinação. A nova condição sanitária, agora estendida a todos estados, além de Santa Catarina considerada livre sem vacinação, foi comemorada pelo ministro que destacou esforços do governo e da inciativa privada e perspectiva de ampliação de mercados para as carnes bovina e suína.
 
“O Brasil vem numa luta, em um programa de mais de 60 anos para erradicar essa doença e, nos últimos anos, fez um esforço muito grande para finalmente resolver o problema”, afirmou. “E, a partir desse reconhecimento, o Brasil tem novo status no mercado mundial e poderá acessar mercados que ainda estão fechados”. Ele destacou tipos de carne que passarão a ser negociados, principalmente, com países asiáticos, entre eles, China e Japão. “Não era possível, até agora, por exemplo, exportar para a China carne que contém osso”.
 
“E há o efeito colateral, que são as exportações de carne suína. Se você não tem o país livre, o mercado não aceita a carne suína. Temos um estado na federação que é livre sem vacinação, então, esse podia exportar por exemplo, para o Japão, para Coreia e outros mercados. Em resumo, mudas o status e ao mudar, você tem mais gente para conversar, mais países para comercializar”, disse Maggi.
 
Próximo passo
 
Programa elaborado pelo Ministério da Agricultura junto com produtores prevê que até 2023 deverá ser possível cessar a vacinação no país, iniciando a retirada da vacina contra aftosa já a partir do ano que vem. “Temos esse cronograma definido em função do fluxo de animais, porque uma vez declarado o estado como zona livre, não é possível transitar mais por ele com animais procedentes de outro com situação diversa. E também há atuação nas fronteiras, desde a Argentina, Paraguai, Bolívia, Venezuela, países com os quais há um programa conjunto”.
 
O ministro viajou para a reunião da OIE, acompanhado de representantes do setor agropecuário, de parlamentares, dos secretários de Defesa Agropecuária do Mapa, Luís Rangel, e de Relações Internacionais do Agronegócio, Odilson Ribeiro e Silva, além do diretor do Departamento de Saúde Animal e presidente da Comissão Sul-Americana para a Luta Contra a Febre Aftosa (COSALFA), Guilherme Marques. (Mapa)
 

Valor da Produção Agropecuária é de R$ 542 bilhões em 2018

Em 2018, o Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) está estimado em R$ 542 bilhões, resultado 2,4% abaixo de 2017 (R$ 555,4 bilhões). As lavouras contribuem com R$ 366,2 bilhões e a pecuária com R$175,8 bilhões, ambas com faturamento menor neste ano.

 

Entre os produtos que apresentam melhor desempenho, destaque para algodão (23,7%), amendoim (4%), cacau (22,2%), café (5,6%), mamona (160,6%), soja (7,1%), tomate (26,2%) e trigo (44%).O VBP da soja está estimado em R$ 129,85 bilhões e o algodão em R$ 27,5 bilhões.

 

De acordo com José Garcia Gasques, coordenador-geral de Estudos e Análises da Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, “são dois produtos com os maiores valores já obtidos na série estudada. O algodão que vem se destacando pela expansão de área e por preços maiores, neste ano supera o valor da produção do café, que tradicionalmente tem sido maior.”

 

Os dados mostram que o valor da produção das cinco principais lavouras (soja, cana de açúcar, milho, algodão e café) representam 53,9% do valor total de 2018, sendo que 24% referem-se a soja.

 

Outro grupo de produtos tem apresentado resultado desfavorável: arroz (- 20,4%), banana (-4,6%), cana de açúcar (-5,5%), feijão (- 24,9%), laranja (-22,7%), mandioca (6%), milho (-7,8%) e uva (-32,3%).

 

A combinação de menores preços e quantidades resulta em valores mais baixos. Não é o caso do milho e da cana de açúcar cuja queda de valor ocorre mesmo com produção mais alta neste ano.

 

A pecuária apresenta uma redução real do VBP de 3,8%. Todos os produtos desse setor estão apresentando desempenho negativo em relação a 2017. À exceção dos ovos que devido à forte alta de preços apresentam melhor resultado do que no ano passado.

 

As quedas mais acentuadas de valor são observadas em carne suína, leite e carne de frango. “No caso das carnes, estas têm sido afetadas também pelos preços internacionais mais baixos”, explica Gasques.

 

Os resultados regionais mostram os seguintes valores de VBP: Centro Oeste (R$ 153,3 bilhões), Sul (R$ 136,4 bilhões), Sudeste (R$ 129,9 bilhões), Nordeste (R$ 49,4 bilhões) e Norte (R$ 32,8 bilhões). As regiões Sul e Centro Oeste participam com 53,5% do valor total do VBP de 2018.

 

(Fonte: Mapa)

Soja volta a subir de preço no Brasil

Influência é das valorizações do Dólar e pela Bolsa de Chicago

 

As cotações da soja tiveram nesta quarta-feira (25.04) um dia de altas no mercado físico brasileiro, influenciadas pelas valorizações do Dólar e da Bolsa de Chicago. De acordo com a T&F Consultoria Agroeconômica, em média os preços subiram 1,63% nos portos e 0,71% no interior do País (índices do Cepea).

 

No Rio Grande do Sul, no melhor momento, o mercado bateu R$ 88,50/saca sobre rodas no porto, com prazo curto, contra R$ 82,50 do dia anterior, alta de 7,27% no mercado físico. Para pagamento no final de maio o preço chegou a R$ 89,00/saca. “Mas fechou a R$ 87,30 no final do dia, porque os prêmios cederam (fecharam entre 130-135). Em Passo Fundo a indústria pagou R$ 82,50/saca. O mercado futuro esteve completamente quieto”, afirma o analista da T&F Luiz Fernando Pacheco.

 

No Paraná a saca chegou a R$ 81,50 em Guarapuava e em Cascavel, R$ 82,00 no norte do estado (Campo Mourão, Luiziana, Mamborê, Roncador, Maringá, Floraí, Itambé, Boa Esperança, Farol). Já na região de Londrina, Astorga, Sertanópolis, Cambé e Sabáudia o preço FOB chegou a R$ 82,50, pagamento 29/6. Em Ponta Grossa balcão R$ 80,00, spot R$ 83,00/saca, pagamento curto, R$ 86,00 para pagamento 29/6. Vendedores, porém, tentando segurar as ofertas. Em Paranaguá, para pagamento 29/06 o preço oscilou entre R$ 88,00 / 88,50.

 

“No Mato Grosso do Sul o mercado segue muito firme. As Tradings não tem mais logística para maio, retiradas só para junho e julho. Hoje saíram negócios a R$ 77,00/saca em Dourados, R$ 75,00 em Maracaju, R$ 76,00 em Campo Grande, R$ 74,00 em São Gabriel e Chapadão do Sul.

 

Para a safra de 2019 os preços subiram também, com negócios em Maracaju a R$ 72,00 para embarques em fevereiro e março”, conclui Pacheco. (Fonte: Agrolink)